27 de fev de 2013

Capítulo 6 - Acho que minha alma acabou de vomitar



Tudo é questão de obedecer ao instinto
Que o coração ensina ter.
Correr o risco, apostar num sonho de amor,
O resto é sorte e azar.
E se por acaso doer demais,
É por que valeu

(Trecho de “Sorte e azar” Cazuza & Barão Vermelho)

Hotel Mon Joli Trésor (Nem sei se isso é francês)
15h43min
~Narradora On

Demi estava tomando banho enquanto Joe dormia. Haviam chegado há algumas horas. Demi não conhecia muito a cidade, e decidiu fazer um tour pelas ruas. Deixou um recado para Joe no vapor do espelho do banheiro. Saiu com pressa e pegou um taxi. Joe acordou logo depois. Estava com muita dor de cabeça e muita preguiça pra revisar todo o relatório. A reunião ia ser no outro dia às nove horas da manhã.  Ele resolveu tomar um banho pra se livrar da dor. O espelho estava manchado por dedos. Ele olhou e viu que se tratava de um recado:



Ele revirou os olhos e limpou o recado com a manga do suéter. Entrou no chuveiro e saiu uma hora depois. Foi revisar os relatórios. Mas estava entediado e acabou saindo também.
~Narradora Off
Centro de Nova York
18h39min
~Demi On

Como Nova York é linda! Saí de uma sorveteria e saí andando pela calçada contemplando os holofotes. Acabei esbarrando em um garoto.
- Ai, desculpa – Eu falei.
- Tá tudo bem. - Ele abaixou o capuz – Já sei que você é uma desastrada.
- Joseph! Você não devia estar no hotel? – Perguntei zangada.
- E só você tem o direito de sair?
- Sim! – Murmurei irritada.
- Eu já revisei aqueles papéis 30 milhões de vezes. – Esnobou.
- Eu já estava voltando mesmo. Pelo menos vou poder tomar banho sem me preocupar se você está espiando. – Falei com um sorriso.
- Então, sendo assim... Não posso deixar uma moça tão bonita ir sozinha para casa. – Retrucou, cínico.
- Me poupa Joe. Amanhã tem reunião cedo. Acho melhor a gente jantar no hotel. – Sugeri.
- Você manda. – Respondeu.
Peguei um táxi e ele fez questão de me acompanhar.
- Sabe... – Falei – Não sei por que ficar uma semana inteira. A reunião já é amanhã. Nós vamos fazer o quê pelo resto dos dias?
- Nos divertir. – Disse ele.
- Eu e você?... Hã! Sem chance. – Esnobei.
Chegamos ao hotel. Eu tomei banho primeiro e desci para esperá-lo no restaurante. 15 minutos depois o safado chegou usando um perfume cheiroso... Sentou-se e logo chamou o garçom. Pediu um vinho.
- Está tentando me embebedar, Sr. Jonas? – Perguntei.
- Só pra começar. – Murmurou ele sorrindo.
- Acha que bêbada eu iria gostar de você? – Ri.
- Não. Cuidado com o que fala Demetria. Quando eu conseguir você, você vai estar bem sóbria. Só pra ter que admitir que sempre esteve errada. – Falou ele.
- Joe, eu tenho nojo de você. – Falei com a mão na barriga. – Acho que minha alma acabou de vomitar.
Ele riu descaradamente. O vinho chegou, e logo eu fiz meu pedido. Ele também fez o dele. Quando o garçom foi embora, Joe me encarou.
- Você está d-e-s-l-u-m-b-r-a-n-t-e. – Ele cuspiu cada letra.
Apenas sorri falsamente, e disse sem cerimônia que ia ao banheiro.
~Demi Off

~Joe On

Ela saiu se rebolando teatralmente. Só pra me provocar. Um dia eu ainda pego ela de jeito. Mas que menina abusada! Meu celular tocou e eu atendi.
- Alô? – Eu disse.
- Hey. É o Nick.
- Fala Jerry.
- Como está se saindo?
- Até agora bem.
- Não está fazendo nada para irritá-la né? O tio Alec é nosso chefe.
- Eu sei cara. Eu não vou fazer nada que ela não queira.
- Então não vai fazer nada mesmo. Ela odeia você. Sempre odiou.
- Um dia ela deixa de odiar.
- Cuidado com essa tua obsessão. Um dia ainda vai se ferrar.
- Há! Um dia eu vou ficar milionário por causa da minha obsessão.
- Vai sonhando...
- Vou sim. Tchau.
- Falô.
Desliguei e Demi já estava voltando.
- Ficou muito mais linda. – Falei.
Ela riu furiosamente.
- Estou me segurando para não partir a sua cara ao meio. – Falou ela.
- Por quê?
- Por que você teve a audácia de colocar uma camisinha aberta dentro da minha bolsa.
Putz. Fudeu. Ela ia me matar.
A comida chegou e nós nos servimos sem trocar uma palavra. Eu não ia me arriscar a levar um soco dela. Não novamente. Ela bate muito firme. Eu não sei onde aprendeu. Parece uma lutadora de UFC.
Fomos para o quarto. Dormi no sofá. Ela nem me deu boa-noite.

 Hey Beautifuls.

Só pra esclarecer, sim, o Joe já levou “uns cascudos” da Demi.Ele zoou dela e acabou por levar um soco no meio da cara. Comentem *-*

21 de fev de 2013

Capítulo 5 – Eu não quero ficar no mesmo quarto que ele.



Que a chuva caia como uma luva,
Um dilúvio, um delírio.
Que a chuva traga alívio imediato.
Que a noite caia, de repente caia
Tão demente quanto um raio.
Que a noite traga alívio imediato.

(Trecho de “Alívio Imediato” Engenheiros do Havaí)

Dois dias depois...
Aeroporto de Los Angeles
8h12min
~Demi On

Meu Deus, estou sentindo um ódio tão grande capaz de explodir esse aeroporto inteiro! O avião irá decolar em 8 minutos e aquela anta ainda não chegou! O Joseph sempre fora atrasado com a vida. Já estava quase entrando na sala de embarque quando vi aquele carma vindo na minha direção arrastando uma mala.
- O avião já vai decolar! Demorou porque ô anta? – Gritei pra todo mundo ouvir.
- Fala baixo sua maluca! Eu tive... que ir num lugar. – Murmurou ele segurando meus ombros.
- Que lugar é mais importante que a sua promoção?                                                                  
- O vôo com destino a Nova York sairá em 2 minutos. Por favor, dirijam-se a sala de embarque. – Voz de aeromoça.
 Segurei a mão dele e puxei junto de mim. Corri até o portão arrastando ele. Conseguimos entrar no avião no último minuto. Não voltei ao assunto com ele sobre a demora. Estava exausta. Não havia conseguido dormir um minuto na noite anterior por conta da insônia.
~Demi Off

~Joe On

A Demi tem mania de sempre me acusar sem saber o que tinha acontecido. Odeio quando ela faz isso. Eu tive que levantar cedo por que hoje era o dia de ir ao hospital tirar os curativos. Olhei para ela. Já estava dormindo. Uma aeromoça veio trazer um travesseiro com uma cara estranha. Como não estaria? Acabamos de embarcar e ela já estava dormindo. Tentei colocar o travesseiro por trás de sua cabeça. Mas ela caiu por cima de mim, abraçando minhas coxas. Tentei tirar, mas ela grudou em mim. Devia estar me confundindo com um urso de pelúcia, sei lá. Passei a mão pela cabeça dela. Não sei o que aconteceu, mas ela acordou de um súbito. Ajeitou os cabelos e pediu desculpas.
- Tá tudo bem Demi. Pode voltar a dormir. – Falei, batendo no meu colo com um sorriso.
- Ah, mas nem pensar. – Ela virou a cara.
- Você parecia tão satisfeita... – Murmurei. – Sonhou comigo?
- Sim. - Falou ela com um sorriso.
- Sério? – Perguntei. – Sério mesmo?
- Ahan. Por isso acordei de um súbito. Era um pesadelo. – Ironizou.
- Ah vá!
- Não seja assim, Joe. Sei que sonha comigo todas as noites. – Falou ela e depois sorriu. Ela tinha um sorriso lindo. Parecia mágico. Seus olhos me encaravam. Ela me atraía. Me atraía demais. Mas ela me odiava. Talvez Kevin esteja certo. Talvez pra se conquistar uma garota tinha que agir com gentileza. Mas eu... Nunca fui bom nisso.
- Jooe? JOE! – Gritou Demi estalando os dedos na minha cara. – Vem. Nós já chegamos.
Me levantei rápido.  Fomos para o hotel. O gerente nos entregou apenas uma chave.
- Espera. – Falou Demi. – E... a outra?
- Que outra? – Perguntou o rapaz.
- A outra chave! São dois quartos.
- Não. Fui informado de apenas uma reserva.
- Ok. – Me intrometi. – Eu fico com outro quarto.
- O senhor me desculpe, mas estamos lotados. A reserva foi feita há três dias. Era o único quarto vago. – Falou ele.
Demi pegou o celular, procurou pelo número de seu pai e ligou rapidamente.
- Pai? – Murmurou ela. Esperou pela resposta.
- Bem. Escuta. Quantas reservas você fez?... O quê?... Não. Não, eu não quero ficar no mesmo quarto que ele... Pai, o que eu disse pra você?... NÃO!... Mas... Tá! Tá bem! Entendi. Tchau. – Desligou. – Olha Joseph... Eu estou furiosa. Por isso, não fale comigo que ninguém sairá ferido está bem? – Eu assenti. - Ótimo.- Ela tomou as chaves da mão do rapaz. – MUITO OBRIGADA!
Sorri e sussurrei para ele: Parece que é o meu dia de sorte.
- Acho que sim. A moça é muito linda. – Falou ele sorrindo.
- JOE! – Gritou Demi do elevador. – Não esquece as malas!
Outro cara veio, pegou nossas malas e levou até o elevador.
Não tinha dúvidas. Ela estava mesmo furiosa.
~Joe Off

17 de fev de 2013

Divulgando

Ps: Eu te Amo
Entrem e não se arrependam. 1° Capítulo postado.

Capítulo 4 - Não perco isso por nada!




Deixa ser como será
Quando a gente se encontrar
No belo céu de um par que a luz testemunhar
Deixa ser como será
Eu vou sem me preocupar
E crer pra ver o quanto eu posso adivinhar

(Trecho de “Retrato pra Iaiá” Los Hermanos)

Hospital St. Cloud
20h57min
~Joe on
Eu estava num campo. Havia dois passarinhos voando ao meu redor. Peguei um depois de muito esforço. Percebi que o pássaro usava um tapa-olho. Soltei-o e de repente, não estava mais no campo. Estava no meio de um incêndio. Tinha um carro pegando fogo e alguém me puxava para longe. Eu tentava respirar e não conseguia. Droga, cadê o ar?! Abri os olhos desesperado. Avistei um teto branco. Minha testa coçava. Tentei erguer a mão, mas assim que o fiz, percebi que havia um tubo conectado ao meu pulso. Havia também uma máscara na minha cara. Era legal. Respirar sem fazer esforço. Inspira. Respira. Olhei para o lado e vi algumas máquinas. Uma delas apresentava meus batimentos cardíacos. Eu lembrava com nitidez do acidente. A coceira aumentou. Levantei a mão de novo. Sai porra! O tubo não saía.
- Epa! Epa, não pode! – Falou uma enfermeira, vindo correndo em direção a mim. – O que você quer? – Disse ela, tirando a máscara da minha cara.
- Minha testa tá coçando...
Ela gentilmente atendeu meu pedido. Ahhhhhh... Se não fosse pelo aparelho dental, ela seria bem bonita.
- Você teve muita sorte, Sr. Jonas.  Quase não saiu vivo. – Disse ela, tirando a mão da minha testa.
- Novidade... – Murmurei de voz baixa. – Como é seu nome?
- Amanda. Seus familiares chegaram muito preocupados. Parece que gostam muito de você. Eles podem vim te ver. Mas apenas duas pessoas de cada vez. Quer que eu chame elas?
Afirmei com a cabeça e fiquei tonto. Ela se virou em direção à porta. Até que ela era gostosa...
Minutos depois chegam Kevin e Nick.
- Pô cara, você deu o maior susto na gente. – Falou Kevin vindo em minha direção
- Obrigado pela parte que me toca... – Murmurei estreitando os olhos.
- É serio. Recebi uma ligação da Demi dizendo que você tinha sofrido um aciden... – Começou Nick, mas eu interrompi:
- A Demi tá aqui?! – Gritei e minha cabeça latejou. – Ai... Como... Como ela soube do acidente?
- Parece que passou na televisão... – Falou Kevin.
- Eu tive que vir correndo pra ver como você tava. A Selly também veio. A mãe e o pai tão aí. – Retrucou Nick.
- Oww, é bom saber que ocupo um lugar no coração de vocês – Falei com a voz fina.
- Deixa de ser viado. – Repreendeu Nick. – A mamãe tá doida pra te ver. Não parou de chorar um segundo.
Revirei os olhos e dei de ombros. Minhas costas doeram. Porra! Tô quebrado!
~Joe off
~Demi on
Sério, ainda não tô acreditando que o Joe bateu o carro. Eu sei que ele é burro, mas chegar a esse ponto... Tenha dó. Tio Paul e tia Denise foram até a sala onde ele estava, e eu fiquei esperando junto com Selly.
- Como foi o encontro? – Falei, quebrando o silêncio.
- Legal. Se bem que nem deu tempo de a gente jantar. – Disse ela com um sorriso amarelo no rosto.
- Desculpe por ter arruinado o seu encontro.
- Não foi você que arruinou. Foi o Joe.
- É só isso que ele sabe fazer. – Falei e ela riu.
- Então por que está aqui? Se preocupa com ele?
- Não. É que eu queria dar a notícia pra ele. Uma ótima notícia.
- E que noticia seria essa? – Perguntou interessada.
- Que ele não vai mais pra NYC! Hahaha!
- Bom, isso quem decide é o papai. – Disse ela.
- Com o Joe nesse estado? Duvido. – Murmurei.
Ela riu e finalmente tia Denise e tio Paul voltaram.
Fui em direção à sala dele. Não parecia muito machucado.
- Hum, veio me ver foi? – Perguntou ele, cínico. Ignorei a pergunta dele.
- Vim só pra te dizer que os relatórios devem estar na minha sala amanhã. Você entrega pro Kevin que ele me dá.
- Hã! Pra quê?
- Suponho que você não tem mais condições de ir. – Retruquei, quase sorrindo.
- Tá maluca Demetria?! Não perco isso por nada!!
Meu sorriso desapareceu.
- Mas...
- Olha, eu me sinto ótimo. Com certeza vou estar completamente curado até depois de amanhã.
Lancei um olhar fulminante pra ele.
- Olha, se você não morreu hoje... Foi por muita sorte. Mas garanto que não terá sorte naquela cidade. Se você fizer qualquer gracinha, por menor que seja eu te mato.
- Acredito. – Disse ele, seus olhos espalhando ironia.
- Quer saber Jonas? Eu não vou agüentar passar um dia perto de você! Não vou mais a essa viagem! – Gritei.
- Você não tem escolha... – Murmurou ele.
- Joe, por mais que você tente... Você nunca... NUNCA VAI CONSEGUIR NADA COMIGO! – Explodi.
- Mas o que está acontecendo aqui? - Uma enfermeira veio correndo.
- Ela está gritando comigo Amanda! Tira ela daqui! – Gritou ele. Caralho, deu uma vontade louca de enforcá-lo com aquele tubo de soro!
- Me desculpe, mas você está assustando o paciente. – Falou a enfermeira.
- Desculpa. – Falei sem tirar os olhos do animal deitado na maca, que sorria. – Eu já vou.
 Me retirei da sala e derramei uma lágrima de ódio. Uma lágrima. Prometi a mim mesma. Era a única lágrima que eu derramaria por ele.